Textos


CAVALO DE GUERRA (WAR HORSE) - STEVEN SPIELBERG - DREAMWORKS PICTURES


    Lançamento: 6 de janeiro de 2012 (2h 26min)
    Dirigido por Steven Spielberg
    Com     Jeremy Irvine, Emily Watson, Peter Mullan
    Nacionalidade: EUA
 
 
Cavalo de Guerra (War Horse) produção de Steven Spielberg conta uma história singela e romântica entre um cavalo "Joey" e seu dono "Albert Narracot” (Jeremy Irvine).
O pai de Albert, Ted Narracot (Peter Mullan) consegue esse cavalo num leilão. Gasta toda a economia da casa que deveria ser paga a um proprietário sem escrúpulos (David Tewlis). A mãe de Albert, Rose (Emily Watson) é uma mulher determinada e forte. Apesar das dificuldades, bebedeiras e das confusões que o marido causara, ela o respeita muito e sabe, que no fundo, o esposo quer o melhor para a sua família.
Albert, nesse momento, estabelece uma relação afetiva muito grande com o animal e o treina para o arado. O filme de Spielberg então relata a história desses dois sublimes personagens.
Em meio a tudo isso, a 1º Guerra Mundial está começando e a Inglaterra convoca os homens para lutar contra a Alemanha. O Cavalo de Albert é levado, mas o garoto, na época com 14 anos, não pode seguir junto.
Já nessa parte do longa podemos ver a importância da interação entre um animal e um jovem. Um amor quase que natural onde um aprende com o outro a regra de sobrevivência. As mensagens são muitas: O amor do menino para com seu animal, respeitando suas limitações, suas preocupações é fonte de confiança entre os dois. Persistência, fé e coragem são outras características que podemos elencar nessa relação.
 
 
Diante da guerra, os horrores e a morte, o desespero e falta de esperança correrão atrás de Joey e Albert até que um final surpreendente faça com que os dois possam ter uma segunda oportunidade de interação.
Quando vejo filme de guerras, com cenas específicas como dessa produção, percebo realmente como o ser humano (única espécie que mata membros de sua própria espécie sem uma necessidade real para isso - se há uma necessidade eu não sei) é ignorante e destruidor. Tudo que toca, destrói.
O filme realmente mexe com nossas emoções. A cor sombria e a falta de cores (contrastando com as cores fortes e abundantes em tempo de paz) trazem-nos a sensação realmente de medo, horror e desespero. Deixa-nos a mensagem de que qualquer tipo de guerra é injusto.
Na trajetória de Joey aparecem algumas pessoas que, apesar das histórias tristes em seu passado, mantém certa ternura e compaixão com o animal. Como diz o próprio Albert, no final do filme, "nós temos, realmente, muita sorte"
 
Outra frase que não sai da minha cabeça é quando o soldado, dirigindo-se ao velho camponês, depois de tomar o cavalo de sua neta, diz que "a guerra toma tudo de todos".
É realmente por aí, por isso que é injusta. Nem todos querem a guerra, apesar de que nem todos querem ser dominados. Guerrear ou não, violentar ou não, brigar ou não é uma condição e decisão individual. Percebe-se que muitos soldados no filme não queriam estar lá. Isso é lógico. A realidade não precisa da ficção para nos mostrar isso... Mas precisa da ficção para nos lembrar.
Um recurso interessante nessa obra é a antropomorfização do animal. Graciliano Ramos fez isso muito bem com a cachorra Baleia em seu romance "Vida Secas". Joey, o cavalo, parece ter mais raciocínio, razão e atitude do que qualquer outro soldado no front.
A fumaça, o negrume das cenas de guerra continua contribuindo para essa cena triste e mórbida. Coisa que realmente Spielberg sabe fazer muito bem. Pois seus filmes (pelo menos o que eu assisti) corroboram com imagens intensas e fantásticas para envolver o assistente. Durante a guerra lembrei-me vagamente do jogo que adoro "Medal Honor". Atirando com o personagem parece-me está expurgando meu ódio e meu vício, como qualquer ser humano odioso que existe na face da Terra.
Uma cena bem dramática (e ao mesmo tempo patética, no meu ponto de vista) é quando Joey se encontra no meio da guerra, entre os ingleses e os alemanhães. Ferido e enrolado com arames farpados um inglês corajoso se levanta e vai até a direção do animal para libertá-lo. Da mesma forma faz também um soldado alemão. Nesse momento, nenhum pelotão ataca ou atira. Vemos uma cena incoerente, insana e patética de dois inimigos de guerra tentando salvar um animal, numa cordialidade que até abusa do meu raciocínio. Aí não dá. Pecou feio. Aí forçou, né?
Para resolver a pendenga, um jogo de Cara ou Coroa. Faça-me o favor. Spielberg, você já foi melhor.
Muitas cenas bonitinhas como que conto de fadas, fazem-me acreditar que esse filme é mais um conto do que uma busca da reprodução de uma realidade com preocupações pertinente. Uma ficção que foge deveras da realidade.
O papel mais gracioso foi de Emillie, a garotinha que perdeu os pais, cuidada pelo avô. Ela encontra o cavalo e se apaixona por ele, cuidando com zelo até quando os soldados chegam para tirar o animal de sua tutela.
FONTE PRINCIPAL
ADORO CINEMA
valdirfilosofia
Enviado por valdirfilosofia em 27/12/2012
Alterado em 27/12/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários