CAVERNA
Porque escrever é ato de libertação
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

DESCULPEM-ME
(in memoriam de minha tia-avó Edith Lopes Rangel)

Aos que não reconheci na rua, no meu passar ligeiro,
Por causa de minha cabeça baixa, meu olhar passageiro,
Por minha desconfiança, medo do futuro,
Comportamento de criança, preso entre muros.

Aos que não foram respondidos ao me saudar
Pelo meu sorriso brando, sem pouco acento,
Pelo meneio fraco de meu corpo desconexo,
Pelas minhas faltas, desculpas, eu peço.

Aos que me conheciam e eu desconheci,
Aos que fizeram parte de mim e com quem convivi.
Perdoem essa simples e grave falha,
Perdoem minha cabeça de gralha,
Meu pensamento errante.

Por um instante, por um momento, percebi
Que tenho poder de magoar.
Quero partir sem dívidas, decidi, sem rancor,
Mesmo que difícil seja, me perdoar
Por motivos que for.

Valdir Lopes
valdirfilosofia
Enviado por valdirfilosofia em 29/04/2018
Alterado em 29/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários